117 Matching Annotations
  1. Oct 2018
    1. From reading this I'm left with the impression that the housing boom was just a housing boom, not a general long-term projects boom, as you would expect from the ABCT.

      Why was housiing and just housing the epicenter of the boom and bust? Or wasn't it?

      If it was just housing, couldn't we explain it (or at least conceive of a different hypothetical scenario) without interest rates even changing? Imagine that the government prints money and uses it to pay companies to build houses -- or creates a special lending program just for houses, but don't messes up with the general interest rate -, wouldn't that have basically the same effect?

      If so, perhaps we should start considering a new ABCT version that just talks about new money being created and going to specific sectors, instead of the whole interest/intertemporal adjustments/hayekian triangles talk. Why is this wrong?

    2. In reality, it's more accurate to say that during the boom period, entrepreneurs (led by false signals) invest in projects that are individually rational and "efficient," but that don't mesh with each other. In other words, it's not so much that a farmer forgets to plant some of the seed corn in order to have a future crop. Rather, it's that a farmer plans on expanding his output, and so he plants much more than he did in the past, but unbeknownst to him, the owners of the silos and railroads (needed to bring the harvest to market) aren't expanding their own operations at the same pace.

      And the farmer borrows money to do that.

    3. It's not that people switched from buying hot dogs to hamburgers; instead they switched from buying "present consumption" to buying "future consumption."

      What if we said that people switched from buying hot dogs to bonds? Not anything "future", just a bond, today.

      If they switched to hamburgers, that would increase investment in the hamburger industry in expense of the hot dog industry.

      In the same way, if they switch to bonds, that will increase the investment in the "bonds industry", which is basically lending money.

    1. Because the capital structure of the economy becomes internally inconsistent, eventually some entrepreneurs must abandon their projects because there are insufficient capital goods to carry them all to completion.

      This argument have confused me my entire life in all explanations of the Austrian Business Cycle Theory. It is the core of the most famous of all, that Mises story about the master builder who doesn't have enough material to finish the house he's building.

      It is misleading and ultimately wrong because economic goods (in the Menger definition) are always insufficient. In simple terms, given the market price, every good can be obtained.

      What happens after the economy realizes it was in a malinvestment boom, prices of capital goods adjust in a way that they can become too expensive for some projects to be completed profitably.

  2. Sep 2017
    1. The investment to increase production volume is still in anticipation of future demand — not a response to existing demand.

      Maior insight do mundo.

      Políticas de estímulo à demanda de qualquer coisa podem ter o efeito contrário, até, se aos empreendedores parecer que aquela política se traduzirá em menos demanda futura.

  3. Jun 2017
    1. Cuidado com esta banda. Ela parece muito boa, mas seu maior sucesso é um álbum chamado "Concerto Grosso", que na verdade pega o já maior álbum de rock da história (o Concerto de Brandenburgo número 2 de Bach) e adiciona guitarras e bateria (o que só o torna pior, mas ainda assim muito superior a qualquer música de rock progressivo), ganhando uma música ótima de graça e enganando os fãs.

    1. "Lazy", "stale", "reactive". Lots of buzzwords.

      Here's a simple explanation for the fullName/nickName magic (fullName stops being watched if nickName exists):

      On every component render, Mobx registers all the attributes they've accessed on state, so it will trigger a forceUpdate on them whenever one of these attributes change.

      If at one render (when there's a nickname) some attribute is not accessed (fullName), the MobX will not register an access on that attribute, so subseqüent changes of that attribute will not trigger forceUpdates anymore.

      If for some reason that attribute (fullName) is accessed ever again (either due to nickName ceasing to exist or due to some other internal component logic) that value is simply given to the component and it starts to be observed again and to trigger forceUpdates again on that component.

  4. Apr 2017
    1. Investing in and encouraging research and development in the public sector, and incentivizing investment in research and development in the private sector

      It's a march to give more money to scientists.

    2. Using the best-available science to make policy and regulatory decisions

      It's a march to give more power to scientists.

  5. Feb 2017
    1. The most important justification for progressive tax rates is the idea of marginal utility.

      Utility is subjective and personal.

    2. But suppose on the way to Wal-Mart, you see a random mom-and-pop store that looks interesting. What do you know about its safety standards? Nothing.

      There exists trust. You trust a lot of people you don't know every day -- you also do the opposite and don't shop in stores that look suspicious today.

      You can also trust small business whose owner or previous records you know personally, that also happens a lot today.

      Besides that, in a libertarian world law would exist and solve part of these problems: https://hypothes.is/a/PBirDvnYEeaWvjeIs4H9kg.

    3. Right, well of course people don’t look up product information now because the government regulates that for them. In a real libertarian society, they would be more proactive.

      Most people don't care, or trust the big companies. I do that. I also think that the existence of some government regulation incentive companies to not sell poisoned food.

      On the other hand, there is certification, independent certification, and these are being used today and trusted by people today. It's reasonable to supposed independent certification would be much much greater in a libertarian world.

      Of course certification would not cover every field, every product and every possible problem, but neither does the State.

    4. Why should the government protect people from their own irrational choices?

      If "lack of mental energy" to think about issues and make positive choices is a problem, giving the State the right to choose is not a solution. Look at pension plans, for example. What has the State done right or better than individuals in this area? Using subsidies doesn't count.

    5. But if the employees are making demonstrably irrational choices because of a lack of mental energy

      To not think about stuff and just follow what other people are doing is to make a rational choice.

    6. For a boss to fire a worker is at most a minor inconvenience; for a worker to lose a job is a disaster. The Holmes-Rahe Stress Scale, a measure of the comparative stress level of different life events, puts being fired at 47 units, worse than the death of a close friend and nearly as bad as a jail term. Tellingly, “firing one of your employees” failed to make the scale.

      Because of State labor laws, stupid. They make it hard to change jobs, hard to fire workers and hence hard to hire workers. In a libertarian world this would in principle be much smoother.

    7. Her new job may require a completely different life routine, including working different hours, learning different skills, or moving to an entirely new city. And because people often get promoted based on seniority, she probably won’t be as well paid or have as many opportunities as she did at her old company. And of course, there’s always the chance she won’t find another job at all, or will only find one in a much less tolerable field like fast food.

      This is all unfunded preconceptions.

    8. Maybe the boss has one hundred employees. Each of these employees only has one job. If the boss decides she dislikes an employee, she can drive her to quit and still be 99% as productive while she looks for a replacement; once the replacement is found, the company will go on exactly as smoothly as before.

      This guy know nothing of economics. He thinks productivity of a single firm is actually, in the real world, a Cobb-Douglas function. Also he thinks the world is made of big companies only.

    9. Once the employee is hired, the boss may ask on a moment’s notice that she work a half hour longer or else she’s fired, and she may not dare to even complain. On the other hand, if she were to so much as ask to be allowed to start work thirty minutes later to get more sleep or else she’ll quit, she might well be laughed out of the company. A boss may, and very often does, yell at an employee who has made a minor mistake, telling her how stupid and worthless she is, but rarely could an employee get away with even politely mentioning the mistake of a boss, even if it is many times as unforgivable.

      Here and after the author treats as a libertarian problem what happens today under the rule of the State labor laws.

      In a world without State labor laws, contracts would apply. Contracts could evolve and have all these situations expected in their clauses. Also, this seems to me to be a case for actually working law (which the criticism imagines as unexisting in a libertarian society): https://hypothes.is/a/PBirDvnYEeaWvjeIs4H9kg.

    10. the boss rarely is

      This is a lie, probably based on the author's first and second-hand experience with huge companies and none with small businesses.

    11. Let’s say Wanda’s Widgets has one million customers. Each customer pays it $100 per year, for a total income of $100 million. Each customer prefers Wanda to her competitor Wayland, who charges $150 for widgets of equal quality. Now let’s say Wanda’s Widgets does some unspeakably horrible act which makes it $10 million per year, but offends every one of its million customers.

      If the person doesn't care if it is "offended" then that's ok, it can still buy. If it is offended in a way the common law qualifies as punishable then the person can sue, and lawsuits are expensive for the company. If the offence is not sufficiently serious then the person should either move to a different culture or try to change its culture, it is not a matter of State, but of law and culture.

    12. I’m not convinced that it’s really that hard to get a boycott going

      Boycotts are stupid as a solution to a societal problem. No person in its right mind should use them in an argument.

    13. The classic libertarian solution to this problem is to try to find a way to privatize the shared resource (in this case, the lake).

      This is a hard problem, but the lake must have an owner, or some bizarre magical special juridical property that someone must come up with. Anyway, this whole example treats it as "public" resource, hence the tragedy of the commons follow.

      Ok, it seems that the lake may be owned by someone and the rivers that go into it owned by other people, so the problem arises. This seems to me to be a case for law: https://hypothes.is/a/PBirDvnYEeaWvjeIs4H9kg.

      Probably there could be a way for the lake owner to sue the people who are damaging the lake, or these sue the lake owner for their lack of productivity.

    14. 1.2: But aren’t there are libertarian ways to solve externalities that don’t involve the use of force?

      Well, this article forgets about law. Law and justice still would exist in a libertarian society.

      I haven't read the rest of the article, but this is probably the answer to most of his criticisms of libertarianism, and it is fair that this guy is missing it, because law is difficult and most libertarians forget about it or think that purely monetary transactions between persons would solve everything, thus making libertarianism a crazy creed (as I've done myself for a time).

  6. Dec 2016
    1. Na minha época de militância, Olavo era uma figura cômica, desprezada e desprezível. Havia pouquíssimas olavetes e as que existiam só se revelavam na internet, sob anonimato. Era inimaginável àquela época um estudante ir para a faculdade com uma camisa escrito Olavo tinha razão. Seria motivo de chacota até o último dos seus dias.

      Todas estas afirmações são mentira. Eu estava lá e fiz e vi fazerem exatamente o contrário. E soube.

      Deixo esta nota apenas para que algum pesquisador futuro saiba que este homem, Alexandre Andrada, é um mentiroso compulsivo.

    1. I do sometimes get a lot of value out of my math or hardware skills, but I suspect I could teach someone the actually applicable math and hardware skills I have in less than a year. Spending five years in a school and a decade in industry to pick up those skills was a circuitous route to getting where I am.

      Wrong. If you just explained your skills to other people, like a textbook does, no one would understand, unless they have accumulated personal experience similar to yours -- which they would call, after the fact, "a circuitous route" to learning the textbook content.

    1. where’s the positive evidence of what they’re claiming

      Where? Do you mean you want a NUMERIC MEASUREMENT that proves capital can't be measure numerically?

  7. Nov 2016
    1. As objeções que Krugman levanta aqui são sintomáticas de pessoas que raciocinam com as mesmas fórmulas Y = I + C + G, MV = PQ etc.

      Tudo bem que não há outras fórmulas, austríacas, para se oporem a essas como melhores e mais corretas, mas por que diabos o Krugman (e todos esses economistas que não passam nem perto de entender a teoria austríaca) pensaria que alguém, usando a mesma fórmula, chegaria a conclusões diferentes? Isso seria um absurdo lógico.

    1. This guy raises the stupid Liar Paradox multiple times, in different contexts, while making his explanations, and every time he states that "philosophers have worried about this for thousands of years".

      Well, I've never seen a true philosopher dedicate a long time to this question, or even to consider it a question or a problem or an inconsistency in the world we must solve -- I can only see this guy and his fellow mathematicians do that.

      Nor it is true that Gödel's theorem is a form of Liar Paradox, it is not. The fact that these mathematicians keep bringing the Liar Paradox to explain Gödel's theorem to the public makes it seem like they are terrified by it, and actually attribute an enormous value to it.

    1. The obvious followup question|and what if a programdiddo all those things?|is often leftunasked, or else answered by listing more things that a computer program could self-evidentlynever do. Because of this, I suspect that many people whosaythey consider AI a metaphysicalimpossibility, really consider it only a practical impossibility: they simply have not carried therequisite thought experiment far enough to see the di erence between the two.

      This man cannot understand that if something is a metaphysical impossibility, then a sane person must not try to imagine it, or what should happen if that thing is true. That's idleness and represents a real danger to one's intelligence.

      For example; imagine if you were not only you, but all other people; imagine that you had no other choice, but only to kill your father or your mother; imagine that you had no sense of self-responsibility.

      Of course if it happens that this thing is not a metaphysical impossibility, then all these people he is considering would be wrong, but at least they were consistent.

    2. Personally, I see no reason to accept Godel's intuition on this subject over the consensus ofmodern biology!

      Of course, the consensus of modern biology is worth more than a mathematical proof, it even deserves a !.

    3. If you accept this, thenit seems fair to say that untilPversusNPis solved, the story of Hilbert's Entscheidungsproblem|itsrise, its fall, and the consequences for philosophy|is not yet over.

      If you accept this bizarre interpretation, then you can suspend the belief in the fact, known to everybody, that \(P \ne NP\), because it hasn't been mathematically proved, and say the question isn't solved yet. Wow, how interesting!

  8. Jul 2016
    1. To put it plainly, no reputation system is resistant to a Vendor purchasing their own items and making false-positive ratings.This is especially true of a pseudonymous decentralized marketplace, where Buyer identities are — by default — undisclosed. Even a web-of-trust model, which is excellent at detecting suspicious islands of ‘reputable’ users, will not be able to distinguish between real and fake ratings of a Vendor.

      Maybe all reputation schemes that try to assign a globally valid rating to users will be bad. Perhaps the only solution is to let the context fall and do not perform any kind of calculation/assignment.

    2. This is also important.

    1. Another important theme. Moderators are arbiters, judges. Filming the opening of a package as a means of proving to the moderator.

  9. Jun 2016
    1. Considerando que muitos materialistas acreditam que as atividades do cérebro precedem e geram todos os processos mentais e que aqueles próprios processos consistem de atividade cerebral, Buda declarou: “Todos os fenômenos são precedidos pela mente, emitidos da mente, e consistem da mente.”

      Como assim? Eles dizem "sim!", você diz "não!", e você ganha? Só mesmo porque é o seu texto.

      Os "materialistas" a que você se refere têm motivos muito razoáveis para achar que o cérebro é causa de ações humanas, e você não faz nada para refutar ou esclarecer esses motivos.

    2. À primeira vista, esta posição Budista pode parecer idêntica a de determinados cientistas cognitivos contemporâneos e filósofos da mente. Por exemplo, neste livro “A Ilusão da Vontade Consciente”, o psicólogo Daniel M. Wegner escreve: “Parece com cada um de nós que temos vontade consciente. Parece que temos eus. Parece que temos mentes. Parece que somos agentes. Parece que causamos o que fazemos… é sensato e basicamente certo chamar a tudo isto de ilusão.” Em lugar algum do cérebro, os neurocientistas encontram qualquer centro de controle que pudesse servir como o correlato neural de um eu autônomo, nem encontram qualquer evidência de um eu independente que influencie as funções cerebrais. Ao contrário, o cérebro parece funcionar de acordo com os seus próprios mecanismos internos, sem nenhum eu independente agindo como um rei, presidindo, governando e avaliando as atividades do cérebro. De acordo com esta visão materialista, todas as influências causais nos processos mentais, ocorrem no complexo maquinismo do cérebro, além do âmbito da consciência introspectiva.

      Pra que isto? Um parágrafo inteiro só pra você exibir seus vastos conhecimentos sobre Daniel M. Wegner.

    3. indeterminismo demonstrado pela mecânica quântica ao nível sub-atômico, se transfere para o mundo cotidiano da experiência humana sob várias condições especificáveis

      Chute barato. O "indeterminismo" da mecânica quântica não tem nada a ver com isso.

    4. Esta visão coincide rigorosamente com a visão determinista moderna

      "Esta visão"? Qual, meu amigo? Você citou três visões diferentes.

  10. Apr 2016
    1. Do not fall for this trap. The idea is good, but there many many bugs, terminals that stop responding for no reason, caveats with ssh keys and probably other issues I hadn't time to run into.

      Also, their support doesn't work. It's an email address and they won't answer you.

  11. Mar 2016
    1. No final deste podcast os dois participantes começam a reclamar do fato de que as pessoas vão para a escola e aí os tipos de amigos que eles fazem são só pessoas que arbitrariamente nasceram mais ou menos perto da mesma data que eles e que moram mais ou menos perto, o suficiente para irem estudar na mesma escola.

      Eles reclamam que ninguém tem tempo ou oportunidade ou é ensinado a respeito da possibilidade de se procurar -- e encontrar -- pessoas que compartilham os mesmos valores e os mesmos interesses que você.

      Isto é exatamente o que o Olavo disse que era o que acontecia no Brasil, mas não nos Estados Unidos.

  12. Feb 2016
    1. req.Header.Add("Content-Type", writer.FormDataContentType())

      If you're reading this, do not forget the Content-Type. It is not on the initial example, but it is important. I don't understand why the author mentions it here but doesn't use it on the initial source.

    1. The author almost realized the much more important conclusion of the fact he lived. He shouldn't conclude the article by asking "what is the purpose of studying maths?" and then giving an three stupid answers.

      He should have asked: is this actually "knowledge" as they say academia brings to society? Is the money researchers earn being well spent? Did I actually deserve to be remunerated by this piece of work no one understands -- and, in fact, no one has read except for maybe three people?

    1. Don't buy from this website, their advertisments are misleading. After connecting my Paypal account to pay 0.20 USD for a photo, they automatically, after one week, debted 59 USD from my card.

  13. Jan 2016
    1. Será que o Ian Anderson copiou o estilo deste flautista, ou foi o inverso? Só agora é que eu descobri a existência desta banda?

    1. aqui Roger Scruton fala de "sentimento religioso" e "religião formal" como formas da pessoa tomar consciência da parte falta a este mundo e experimentar algo dela, ao invés de, perdido sem saber que falta algo e onde está essa coisa que falta, fica histérico, vivendo a modinha do momento.


      será que isto é a mesma coisa que o "viver no presente" da Pollyanna?

  14. Dec 2015
    1. a minha impressão é que esse discurso não quer dizer nada, é um discurso vazio, e que pode ser interpretado da forma que a Ana Thomaz quiser interpretar em cada situação diferente.

      ela não pode deixar claro o que ela está propondo, porque ficaria muito fácil ver que não existe o não-paradigma, e que qualquer atitude pode ser interpretada como um paradigma, como ela diz.

      o que ela propõe, no final das contas, é um niilismo total: a eliminação de todas as metas, planos, objetivos e meios de ação, por serem todos paradigmáticos, sem a proposta de nada no lugar -- nem mesmo a de alguma prática pura vazia de significado. o que ela propõe é uma loucura que ela mesma, se estivesse lendo isto sem saber quem escrevera, chamaria de "paradigma da criação".

    1. layoffs as a management tactic

      A tactic against government "employee-protection" measures, you should note.

    2. I found that we do a lot to keep our strong feelings away from the employer

      And you probably think it is better to direct strong feelings to the employer, blame him and everything will be ok, right? Otherwise why would you point this?

  15. Nov 2015
    1. Aparentemente, segundo o que Bob Murphy fala logo depois do meio da gravação, nos Estados Unidos, até o Obamacare, existiam planos de saúde que não cobriam todas as frescuras médicas que os planos de saúde brasileiros cobrem (psicólogos, consultas de meninos gripados, dentista, dermatologista), mas apenas grandes fatalidades e acidentes.

      Um plano desse é realmente um seguro de saúde, e não uma babá médica, e provavelmente é bem mais barato e bem menos elástico em relação à idade do segurado.

      Também, se havia esse tipo de plano, é porque era possível pagar por consultas e procedimentos médicos individualmente, sem que estes custassem uma fortuna (este mesmo áudio conta um caso de um procedimento totalmente sem risco, que seria realizado pela assistente do médico em menos de 30 minutos, o sujeito quis pagar em dinheiro e cobraram dele 700 dólares -- isto pós-Obamacare).

  16. Oct 2015
    1. “O sistema do marxismo é fundado em princípios morais, enquanto o capitalismo só está relacionado a ganho e rentabilidade... Não considero a ex-URSS, ou a China, ou mesmo o Vietnã, verdadeiros regimes marxistas... Penso que [sua] falha principal é que eles colocaram muita ênfase na necessidade para destruir a classe governante, na luta de classe, e isto encoraja o ódio e negligencia a compaixão... Penso em mim como meio marxista, meio budista.”

      Olavo cita esta frase numa aula do curso de História Essencial da Filosofia, e logo depois comenta brevemente: "pois eu digo, tu é meio mentiroso, meio idiota!". o efeito cômico é maior do que neste artigo.

      Depois ele prossegue dizendo que depois desta não respeita mais o Dalai Lama como autoridade espiritual de coisa nenhuma, diz que ele sofre da Síndrome de Estocolmo e afirma: "se o sujeito tivesse consistência espiritual não cairia nisto".

    1. Há aqui uma confusão: pois uma coisa é o nome da letra, outra é o valor fonológico dessa letra. Eis outro exemplo: o professor diz à criança que “cê” com “a”produz “ca”.

      Que coisa. Eu com 6 anos percebi isto. Será que a professora disse? Talvez. Talvez tenha dito "esta regra não se aplica direitinho a todas as letras", mas talvez não tenha dito nada. Eu, no entanto, me lembro perfeitamente de ter consciência de que a regra funcionava, mas de que havia exceções.


      O mais importante, porém, é saber como eu adquiri essa consciência. Acredito, hoje -- mas aí já é difícil dizer se isto é verdade ou não --, que quando me ensinaram a técnica do b com a, ba, eu já sabia ler e não tinha me dado conta ainda, ou aprendi mais ou menos imediatamente.

      A hipótese pessimista é de que eu aprendi a ler simultaneamente ao ensino da técnica, o que, diriam alguns equivale a dizer que eu aprendi com a técnica. Não me parece que seja o caso: como eu poderia ter aprendido com a técnica e, imediatamente, durante o próprio ensino dela nas aulas do segundo andar com janelas grandes da Escola Bumba-Meu-Boi, eu já ter capacidade de julgar o próprio ensino e complementar a regra que me era apresentada com ressalvas sobre as suas exceções?

      A conclusão é que eu aprendi a ler, mas não por causa da técnica. Ou: eu aprenderia a ler indo à escola ou não.

    1. Um sistema bancário livre, como sugerido na pergunta do Hélio Beltrão, não teria, como disse o Gustavo Franco, "o poder discricionário de criar moeda".

      Mas teria, no entanto, vários outros tipos de controles e balanços, que seriam criados automaticamente pelo mercado, e que tornariam inútil essa capacidade. Em resumo, os bancos não precisariam criar moeda discricionariamente porque não haveria crises monetárias como a de 2008 e, quando houvesse crises importadas elas não trariam risco algum de crise bancária.

      Este arranjo, que para todos os efeitos é apenas uma hipótese imaginária, vale? Bate com a realidade e se encaixa na teoria econômica que Gustavo Franco conhece e defende? Acho que sim, mas seria interessante ouvir o que o Gustavo Franco pensa. O problema é que isto nunca vai acontecer, porque Gustavo Franco é, como mostra este vídeo, incapaz até mesmo de compreender a pergunta.

    2. Gustavo Franco não entendeu a pergunta do Hélio Beltrão sobre bancos livres, achou que ele estava perguntando sobre currency board.

      este vídeo é a prova de que esses poucos economistas "ortodoxos" inteligentes nunca nem ouviram falar -- e são incapazes de conceber -- situações de liberalismo -- o liberalismo mesmo que eles defendem -- extremo, como é o caso de um sistema bancário livre.

    1. What is a ubiquitous language? A set of terms used by all people involved in the domain, domain model, implementation, and backends. The idea is to avoid translation, because as Eric Evans points out, Translation blunts communication and makes knowledge crunching anemic. That is, every time we have to translate concepts between people — "oh, you're using 'user' in these cases where I'm using 'account'" — we lose a direct ability to think clearly about the thing we are building and to let new knowledge flow back and forth between domain and implementation. Investing in a ubiquitous language pays off in that it makes communication clearer, and allows teams to see more opportunities.

      eis aqui um exemplo de gente que ignora tudo o que já foi feito, tentado e pensado a respeito disto.

      desde a experiência escolástica de elaborar uma quantidade enorme de conceitos cujos significados deviam ser conhecidos pelo grupo -- aliás, a escolástica partiu de uma base que era exatamente a oposta: a de que todo e qualquer conceito utilizado deveria ser definido com grande clareza no início do discurso -- até a total situação de paralaxe cognitiva e sua identificação, muitas coisas diferentes foram tentadas e criticadas, e o que este homem faz? ignora tudo isto, ignora todos as desvantagens (e provavelmente também as vantagens, embora ele esteja defendendo) da prática de criar uma linguagem própria e exigir que os outros a dominem, para que nunca tenham que se reportar à experiência.

      e acha que é fácil. fala assim, como se fosse a verdade mais óbvia do mundo que deve-se fazer isto e pronto. e tem gente que acredita. aliás, estes jovens programadores fascinados provavelmente engolirão tudo (como eu mesmo devo engolir em outras situações).

      qual é a solução? não faço idéia.

    1. eu ia começar a enumerar aqui algumas coisas que este modelo escolhe deliberadamente ignorar e que são importantíssimas para quem quer compreender verdadeiramente como se dão as alterações de preço e coisas do gênero, mas como os "cientistas" iriam dar risinhos sarcásticos da minha enumeração, pensando: "que imbecil, ele não entendeu ainda que o modelo é bom quando ele faz boas previsões?", vou então dizer só o seguinte: quando, cientistas, este modelo aqui, ou qualquer um mais completo e que você consideraria bom, conseguiria fazer alguma previsão?

      percebam que nos modelos físicos há alguns que fazem realmente previsões e essas previsões são "falseáveis", e nesses casos não há qualquer discussão sobre qual modelo é melhor, porque a experiência fala por si mesma.

      se o sujeito tem que ficar descrevendo modelos em um blogue e dizendo embaixo que "isto não parece muito plausível" nós já deixamos há muito tempo o mundo da ciência ideal que é pregado por aí.

    2. eis aqui um exemplo bem fácil de como não se deve pensar em conceitos econômicos. tá certo que isto é uma postagem de blogue e um paper acadêmico teria fórmulas muito maiores, mas também é verdade que os primeiros modelos matemáticos introduzidos na teoria econômica eram mais simples do que este, e eles já continham a semente de todo o mal que veio a se produzir depois.

    1. Ernest Mayr, who  enunciated this  principle  with  exceptional clarity when confronted by calculations demonstrating  the staggering improbability of a certain Darwinian claim: “Somehow or other,” he replied, “by adjusting these figures, we will come out all right. We are comforted by the fact that evolution has occurred.”

      perguntar aos biólogos o que eles pensam disto.

    2. as Brent Tully (known for his discovery of supergalaxies) observed: “It’s disturbing  that there is a new theory every time there is a new observation.”

      "When the facts change I can my mind, don't you, sir?"

    3. Let me begin by recalling an event: When in 1965 Arno Pen­zias and Robert Wilson picked up signals from outer space said to derive from the microwave background, the New York Times announced the event with the headline: “SIGNALS IMPLY A BIG­ BANG UNIVERSE.” By way of contrast, let me now recall what happened in 1887, when Albert Michelson and Edward Morley conducted their experiment designed to measure the velocity of the earth in its orbital motion around the sun. What they found, to the dismay of the scientific community, was that this velocity is not the expected 30 or so kilometers per second, but turns out to be precisely zero! And let us note that there was nothing uncer­tain or tenuous in this conclusion: based upon the laws of what is nowadays, in retrospect, termed “classical” physics, the fact that the earth does not move was strictly implied by the outcome ofthe experiment. But whereas this result sent shock waves through the upper strata of the scientific world, the public at large was told little. Most assuredly, there was no banner headline proclaiming that “MEASUREMENTS IMPLY AN IMMOBILE  EARTH,” which unlike the 1965 caption, would not have been a mere journalistic exaggeration, but indeed a scientifically accurate statement.

      a Terra está provavelmente parada no universo.

  17. Sep 2015
    1. meu Deus. estou impressionado que esse sujeito tenha falado tantas coisas certas, e tantas coisas que eu já sabia, mas não tinha palavras para dizer.

      estou ainda mais impressionado que ele tenha precisado dizer essas coisas, que são tão claras e óbvias.

      eu imaginei que todas pessoas minimamente inteligentes e todos esses milhares de aspirantes a fotógrafos que há por aí, com suas câmeras caríssimas, soubessem disto automaticamente. mas pelo visto não.

      mais uma vez eu subestimei a burrice humana.

    1. Falando muito sério, este homem fala da pobreza da "música de massa" (o jazz, principalmente) e da piora geral da qualidade da música, mesmo a "erudita", e põe a culpa toda no "capitalismo", sem o menor pudor.

      É estranhíssimo. Será que toda a mentalidade esquerdista que hoje nós conseguimos identificar facilmente com todas as formas de destruição da cultura não existia nessa época? Ou existia, mas não estava formal e individualmente ligada à esquerda política como hoje está? Se sim, este homem pode estar sendo sincero -- mas não podem os esquerdistas que, hoje, repetem o mesmo discurso, quando a situação claramente já não é a mesma.

      De qualquer forma, o diagnóstico do problema não bate nem um pouco com a defesa de propostas esquerdistas de qualquer tipo, que, como vemos hoje, só o fazem piorar (e isto já devia ter ficado claro na época em que este artigo foi escrito).


      Contribuindo para o atestado de sinceridade do artigo há Roger Scruton, que o leva a sério quando vai falar de música quase 80 anos depois.

    1. Qual é o objetivo deste site? Certamente não é "discutir assuntos de homens entre homens", já que metade do conteúdo é feito por mulheres.

      Provavelmente uma boa parte também é de conteúdo imbecil copiado e traduzido da internet americana: "procrastinação estruturada".

      O resto é dividido entre coisa que brota da parte mais baixa da atividade mental de quem está escrevendo ("como arrumar uma barba estilosa") e ideais esquerdistas-soft do dia ("a publicidade e sua relação com as mulheres").


      Pelo menos dois autores deste negócio são também integrantes d'O Lugar, um site que reúne todas as coisas newest age da internet. Este site aqui também, como O Lugar, usa em seu menu principal a palavra "Fluxo", sinal de que estes dois autores estão entre os principais.

    1. No culture in history has been more distracted. If you are wondering why there are no more C.S. Lewis’ in the world, no more stories as good as Tolkien’s, no cathedrals as great as the gothic’s, no music as moving as Pachelbel’s, it may be because the writers of these books, the tellers of these stories, the architects of these buildings and the composers of these symphonies are sitting on their couches watching television. I wonder what’s on tonight.

      Tolkien, C.S. Lewis, gothic cathedrals, Pachelbel suddenly represent the essence of the good western culture.

    1. import Json.Decode (..)

      This line should be import Json.Decode exposing (..).

  18. Aug 2015
    1. Gugu está comparando a prática da santidade a uma técnica, como por exemplo uma arte marcial ou uma dança, que você no início treina e pensa cada movimento, mas as coisas não saem bem, porém depois de um certo tempo de treino os movimentos começam a sair naturalmente, e você não pensa mais -- aliás, se você pensar demais atrapalha.

      "quem é esse sujeito está fazendo esses movimentos?", pergunta Gugu (e o sujeito que está praticando).

      e a resposta de Gugu é Deus.

      "isso aí é Deus. e ele não está tão distante assim quanto parecia, ele é mais interior a mim do que a mim mesmo."


      vou escrevendo enquanto ouço aqui, então fica meio confuso, mas o negócio aqui é que o que eu estava chamando, seguindo Olavo, de razão espontânea, Gugu chama de Deus. será que só nesse caso, ou nos outros que eu identifiquei, como o do corpo sentindo vontade de fazer xixi quando está mais perto do banheiro? não é possível (ou é?), por no caso do xixi é uma coisa claramente física, uma função quase automática do corpo, mais típica dos exemplos tratados no livrinho do cérebro lá, do André.

      o caso das cartas e da mão que sua, do Olavo, é claramente físico ou não? e o caso do golpe de arte marcial, ou da flecha que acerta o alvo? essas coisas são físicas, envolvem um movimento físico, que pode ser matematicamente calculado e executado por uma máquina (ou não?), mas Gugu está dizendo que é Deus.

    1. graça versus obras.

      enquanto nós não encontramos nosso "verdadeiro Eu", diferenciando-o de todas as nossas vozes psíquicas, nós somos maus.

      fazer boas obras, fazer o bem, não resolve esse problema. é por isto que não existe salvação pelas obras. claro que fazer o bem pode atrair para nós a misericórdia divina, mas o problema fundamental é outro.

      a graça, talvez, seja aí a parte em apenas Deus, através de nossa dedicação individual e total a um projeto que foi estabelecido por Deus (daí vem a necessidade da religião revelada), nos concede essa diferenciação e identificação com nosso verdadeiro Eu.

    1. só o homem virtuoso é livre, o homem que só faz o que gosta é um escravo das paixões.


      paixão é o que você sente, e não o que você faz. é uma coisa passiva.


      a única forma de ser virtuoso é seguir um modelo tradicional de virtude. se você conceber a sua virtude sozinho as chances são de 99% de você estar seguindo alguma paixão que você não percebeu.

    2. a personalidade é o que nós moldamos pelas nossas escolhas. ela permanece conosco indefinidamente, a não ser que ela seja um monte de reforços de coisas mundanas, às quais não teremos mais acesso depois da morte. é a personalidade é que é virtuosa ou viciosa.

    3. nós não somos nosso corpo, mas também não somos a nossa psique ou a nossa alma. o que nós somos realmente? e o que é a consciência? a consciência é apenas uma capacidade receptiva. ou seja: não é. positivamente você não é nada.

    4. nós não temos nenhuma ligação intrínseca com as coisas naturais que nos acontecem. nossos hábitos, desejos, gostos e traços de personalidade são coisas que nos aconteceram, são fenômenos naturais, derivados de causas naturais, e como criações naturais também serão destruídas por causas naturais, fatalmente.

      como, porém, essas coisas naturais nos são muito caras, e nós as enxergamos como partes do nosso ser, quando elas se desfizerem nós sofreremos horrivelmente. isto é o inferno.

      isto se assemelha a uma criança que, tendo um brinquedo e gostando muito de brincar com ele, imagina que se não existisse o brinquedo não valeria à pena existir. embora eu saiba que daqui a 10 minutos a criança não vai mais se interessar pelo brinquedo, eu não percebo que os meus amados fenômenos interiores são da mesma natureza. são coisas externas à nossa consciência.

    1. a única[1] causa da falta de espiritualidade das pessoas hoje é a falta de ficarem sozinhas com elas mesmas.

      quando elas estão sozinhas e começam a perceber alguma coisa de espiritual elas ligam a TV, abrem a geladeira etc.


      [1]: minuto 27.

    1. o segundo propósito é o do mérito. uma oração inventada pode ter mérito, mas pode não ter, pode ser ruim. a oração tradicional é garantia de mérito. o sujeito pode fazê-la, quando não estiver fazendo mais nada, só para ganhar pontos. não tem problema ele pensar que está fazendo a oração só para ganhar pontos, ele ganha os pontos assim mesmo, só de vencer a sua passividade ele já ganha os pontos.

    2. o primeiro propósito da oração é apenas a de fazer algo que não é do mundo, que não apenas uma reação a uma sucessão de estímulos do mundo. é só para o sujeito, de propósito, sem sentir devoção, sem querer mais nada, só porque ele quer, fazer algo que não reação a estímulos.

    1. "os velhos são meio monges".

      à medida que diminui a capacidade de intervir no mundo, no desenvolvimento normal desapareceria também o interesse em intervir no mundo, então prevaleceria o interesse em compreender o mundo e a si mesmo.

    2. os monges, quando são jovens, parecem agir como velhos (ou pelo menos como os velhos deveria agir).

    3. o "estado natural" do budista: o intelecto possível, é já quase o paraíso, uma consciência serena, pacífica, que só quer conhecer a realidade acerca dela mesma -- que considera a sua própria psique como mundo, e não como eu, como a pessoa normal e profana considera. este estado se obtém por meio do exercício e não pode ser obtido tendo apenas os atos e meios da sua psique individual, mas são necessárias ferramentas de natureza revelada.

    1. perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.

      ao invés do sujeito eliminar seus desejos, ele vai deliberadamente ter desejos e não satisfazê-los, vai agir contra a sua individualidade, gerar desequilíbrios para que Deus restabeleça um equilíbrio cada vez mais profundo. a ofensa (ou a dívida) do caso é a agressão do desejo da pessoa. ele vai se ofender e perdoar, e esperar que Deus o perdoe.

    2. cada hora aparece um conceito diferente de inferno, não claramente apresentados como analogias, mas como definições mesmo. aqui Gugu diz que o inferno é o psiquismo que continua existindo, sem o corpo, e se desfazendo num processo de duração indefinida. continuam existindo, portanto, todas as memórias, desejos e medos do indivíduo vivo, mas sem nenhuma possibilidade de saciar essas coisas, e isto é o inferno.


      diz ainda Gugu que eliminar desejos e temores, como querem os budistas, não ajuda em nada nesse processo.

      diz ele que se o objetivo fosse se tornar um insensível a todas as paixões o seu psiquismo não precisaria ter criado um aparato afetivo para começar. as paixões existem para você as educar e dar a elas a forma certa, a forma de virtudes, não é para você se tornar um insensível.

    1. aqui Gugu deixa claro que a Jesus era o verbo divino e não uma pessoa (e de quebra ainda explica a homossexualidade dos padres pela concepção de Jesus como um sujeito humano do sexo masculino).

    1. aos 9min, Gugu diz que a Igreja Ortodoxa é clara em dizer que a religião é um processo de deificação, já no ocidente, desde a idade média isto se perdeu e a Igreja se tornou uma novela para mulheres escrita por mulheres, um lugar onde as pessoas vão para se sentir bem, para experimentarem sensações, para acharem que Deus gosta delas, um lugar onde homens não se sentem bem, porque a Igreja se afeminou (inclusive os sacedotes são afeminados).

      Gugu diz claramente que isto não aconteceu no Concílio Vaticano II, que ele foi só a cereja do bolo, mas que o processo já vinha de 1000 anos pra trás, e aí ele esboça algumas hipóteses:

      • proliferação dos romances de cavalaria;
      • religião como o domínio do sentimento depois da revolução francesa, afim de que ela não fosse eliminada;

      a conclusão é que a falta de objetivo das religiões todas do ocidente vem disso aí.

    1. à 1h38 um argumento bom em favor do pai que pede que o filho corte a grama em troca da sua mesada: não é "a monetização das relações familiares", como ficam pregando os comunistas (e isto até pode fazer algum sentido, já que até me convenceu por um tempo) que não querem que as crianças aprendam nada sobre a vida:

      o que o Gugu diz é que o pai ali não está contratando o serviço do filho, ele está perguntando para o filho se ele quer realmente a mesada.

    2. essa coisa que Gugu fica repetindo sobre as escrituras não serem estranhas, eu é que sou estranho, é interessante. principalmente porque ela resolve aquela firula comunista historicista que eu sempre ouvi, nunca gostei, mas nunca soube se havia realmente um erro.

      mas ainda assim fica a questão (levemente historicista) de por que (será que é assim mesmo?) o Deus do Novo Testamento é tão diferente do Deus do Antigo, e outras variações menores intratestamentais.

    3. à 1h14min Gugu diz que "nós inventamos os reinos" para que eles nos dessem segurança jurídica. por que eu devia acreditar nisso?

    4. a "pobreza de espírito" católica é o mesmo "voto de pobreza em matéria de opiniões" do Olavo.

      o sentido da pobreza de espírito aqui é muito maior do que eu mesmo tinha entendido sobre o dito do Olavo mesmo. é colocar no seu devido lugar (o lugar de opiniões) as nossas opiniões sobre tudo, até sobre se ter mais dinheiro é melhor ou pior, ou se comer uma comida boa é bom naquela hora ou não.

    5. Gugu vai explicar o Pai Nosso e a doutrina católica (e o faz com um distanciamento bem notável, em comparação com as outras coisas que ele ensina no curso) e diz que segundo ela o Cristo era não uma pessoa deificada, mas uma divindade que resolveu ter uma existência humana.

      depois tem mais uns dramas muito pouco ortodoxos para o catolicismo, eu imagino.

    1. Um sujeito pergunta sobre o "não matarás" e a necessidade, talvez, de ter matado Hitler. Gugu responde que os mandamentos servem como referência para quando você não tem como avaliar a bondade e a necessidade de um ato ("se você não sabe o que fazer, não matarás"). Gugu lembra também que no mesmo dia do mandamento "não matarás", Moisés mandou matar 10 mil que estavam adorando o bezerro de ouro.

      Vem uma mulher toda séria e talvez até um pouco assustada com aquilo, e ela comenta:

      -- Mas com o advento de Jesus, entra o período da graça, e nós não podemos julgar se é um bem matar ou não. Nós não podemos julgar. Não cabe a nós julgar.

      -- Claro que nós podemos! Não cabe a nós julgar se o sujeito vai pro inferno, vai pro céu, mas é claro que cabe a nós!

      -- Você matá-lo?

      -- Claro que sim!

      -- Eu não posso julgar, não posso condenar ninguém à morte.

      -- Como não? Cadê? Onde que tá isso no Evangelho? Não tá isso lá.

      -- O julgamento pertence a Deus.

      -- O julgamento pertence a Deus! O tiro na cabeça às vezes pertence a nós.

    1. Antes ele já havia comparado Jesus a Moisés, Buda e Mohammed várias vezes, como exemplos de pessoas, mas aqui ele diz claramente que estes são "mensageiros de Deus".

    2. Aqui tem também o porquê de não querer mudar o mundo, mas apenas mudar você.

    3. a explicação do Gugu perto dos 10min lembra muito as explicações espíritas da Vivian no aspecto em que há, parece, um cálculo de "merecimentos" e "karmas" para cada pessoa que determinam cada coisa que acontece com cada pessoa -- que seria um cálculo impossível de ser feito.

      A diferença aqui é que quem opera esses cálculos é Deus, e não uma regra cármica (mas será esta diferença tão crucial assim? acho que a Vivian queria se referir mesmo a Deus e eu estava errado em dizer que o cálculo é impossível, porque para Deus ele não é impossível). Aliás, esta é a mesma regra à qual Robert P. Murphy aludiu fazendo uma comparação com teoria dos jogos.

      Outra diferença importante -- e, neste caso, crucial -- é que aqui não se trata de "merecimento". Deus não julga o merecimento aqui, mas (disto a Pollyanna vai gostar) o "sentido". Cada ato acontece na vida de cada pessoa segundo o julgamento de Deus se aquilo faz ou não faz sentido para a vida daquela pessoa: "o que é uma mensagem mais clara para a pessoa, que oferece para ela mais oportunidade para que ela perceba a realidade como um todo?". O critério do "sentido" significa, portanto, que todas as coisas que nos acontecem servem para nos fazer perceber a realidade como um todo.


      Gugu diz claramente, depois, que o mundo é "matematicamente regido por Deus".

    1. Não há perspectiva de acumular, pois eles não se entendem como empresa que busque lucro. Querem, em vez disso, tranquilidade para viver bem.

      MEU DEUS, MAS QUAL EMPRESA NÃO É ASSIM?

      sério? é esse o nível de incompreensão das esquerdas?

      elas acham que o dono da banca da esquina é um "capitalista" cujo principal objetivo na vida é "acumular"? como assim, meu Deus?

    2. levantam cerca de 2 000 reais por mês via Unlock, plataforma de crowdfund recorrente por meio da qual os apoiadores financiam uma parte da empreitada

      ou seja: é uma instituição de caridade que serve almoço grátis.

    1. -Dê a passagem e as condições para seu filho ir nesse encontro, esse povo é muito feliz!!! Eles são muito alegres!!! Chico Xavier “sacou” Rajneesh (Osho)

      Chico Xavier supostamente apoiando Osho e suas práticas.

    1. Stockholm City Council now has an official housing queue, where 1 day waiting = 1 point. To get an apartment you need both money for the rent and enough points to be the first in line. Recently an apartment in inner Stockholm became available. In just 5 days, 2000 people had applied for the apartment. The person who got the apartment had been waiting in the official housing queue since 1989!

      onde foi que eu vi uns esquerdistas as belezas do controle de aluguéis outro dia? algum desses sites de esquerda brasileiros, eu acho.

    1. “Muita gente diz que isso não é um negócio de verdade. Se não tem lucro, não é negócio. De onde vem essa definição? É negócio, sim. É decisão minha não ter lucro. Se a teoria não se encaixa no que eu criei, não sou eu quem está errado; é a teoria. O capitalismo é uma ideia maravilhosa, porque dá opções. O problema está na ideia de que é preciso maximizar lucros e que só isso é aceitável como negócio.

      milhares de empresas da bolsa não têm lucro -- ou têm prejuízo -- anualmente. ou seja: seus acionistas não têm lucro, mas o "donos" da empresa, que são ao mesmo tempo os acionistas majoritários E os executivos nos cargos de chefia, têm salários altíssimos, que são pagos com o dinheiro da empresa, mesmo quando a empresa deu um prejuízo monstruoso. a empresa se endivida anualmente, mas não deixa de pagar os salários para os donos.

      isto é muito bizarro e ninguém fala deste assunto.

      uma empresa pequenina, normalzinha, não pode fazer isto. é sempre na cara e na coragem. se a empresa não der lucro o dono morre de fome, mas a empresa gigantesca não precisa dar lucro, ela pode se endividar (inclusive é automático, a dívida cresce ou diminui, e ninguém nem percebe) e seus donos estão garantidos, não passam fome.

    1. "The road to hell is paved with good intentions."

    2. pouco antes da metade do áudio há uma boa explicação/argumento sobre a validade das "boas intenções" que é específica para este caso (investigadores do CSP que continuam fazendo o seu trabalho achando que estão fazendo o bem mesmo quando eles têm acesso a estatísticas que mostram claramente que crianças retiradas das suas casas levam uma vida horrível sob todos os aspectos), mas que vale para todos, eu acho.

    3. "I knew investigators who simply did state that 'this is a really secure job that helps me out'."

    1. Gugu diz que não devemos fazer as coisas porque elas são boas, já que nós não podemos acrescentar bondade ao mundo. Deus já é infinitamente bom, e depois do nosso "ato de bondade" nós não podemos dizer que agora há "infinito + 0,1, que é o que eu fiz".

      René Guenón diz, porém, que no plano superior, o bom é o que persiste, e o mal é o que é transitório e mutável, por definição.

      Não sei como estas coisas se relacionam, porque enquanto eu escrevia o Gugu continuou falando na minha cabeça.

    1. O livre-arbítrio não existe para determinar o mundo, mas só e apenas para determinar o seu próprio caráter.

    2. "Todo o ciclo de causas intermediárias não pode determinar absolutamente, só o absoluto pode determinar absolutamente, este é um princípio metafísico básico -- todo ente opera segundo o seu ser, o ser absoluto opera absolutamente, o ser relativo opera relativamente --, por exemplo, se eu quero alguma coisa, isto não determina absolutamente aquela coisa, apenas relativamente". Diz Gugu, ecoando Pollyanna e sua velha dicotomia do que "influencia" versus "o que determina".

    3. Gugu também diz algo surpreendente na resposta a essas perguntas (algo que eu havia pensado há muito tempo, numa conversa por telefone com o Bruno, no quarto 2 do hotel, mas só como uma possibilidade remota, relacionando com mecânica quântica e todos esses breguetes): ele diz que se seu vizinho está escutando música alta é porque Deus deixou. e como é que ele "deixa"? ele deixa da mesma forma que ele poderia impedir: nós não conseguimos fazer tudo que nós decidimos fazer, porque coisas surgem pelo caminho e nos impedem. estas coisas são em número ilimitado e elas estão sob o "controle direto" de Deus. Gugu dá vários exemplos, como Deus provocando um sono enorme no vizinho, Deus quebrando o som do vizinho, Deus desligando a luz do vizinho. o surpreendente disto é que, segundo o Gugu, Deus então não tem um controle direto sobre todas as ações do vizinho, mas só sobre coisas periféricas, e ao mesmo tempo sobre essas coisas ele tem um controle "direto" (visível? como se a mão de Deus fosse lá e esmagasse o som?).

      Gugu diz claramente que há um "elemento de indeterminação no universo" e que a determinação do absoluto age aí para determinar tudo o que acontece. Tudo bem que há todo um "ciclo de causas intermediárias" que levam a todas as conseqüências (e, em suma, a tudo o que acontece), mas ninguém nunca vai conseguir retraçar esse ciclo de causas intermediárias, ou vai ter que retornar até a criação do mundo, mas que nesse ciclo mesmo de causas há "momentos cruciais" em que uma coisa (ele diz "sorte, ou falta de sorte" em outro momento) poderia ter acontecido de vários jeitos, e acontece de um jeito específico.

    4. mulher fazendo as perguntas "normais" para o Gugu sobre determinismo e livre-arbítrio.

      são abordadas coisas como se Deus quer ou não que nasça uma criança pobre em uma favela, se Deus tem culpa das coisas ruins que as pessoas fazem, e aquela coisa de Deus criar o ambiente, as leis cósmicas, e então das às pessoas o livre-arbítrio para agir como elas quiserem ali dentro, e a partir daí Deus não manda mais nada.

      todas as perguntas são feitas ao estilo "eu entendo que as coisas são assim". e depois de uma das respostas do Gugu a mulher diz "eu entendi, mas não concordo".

    1. As verbas publicitárias federais destinadas ao Face ficam acima das recebidas pelo jornal impresso “O Globo”, o que mais teve propaganda estatal da União em 2014 –R$ 21 milhões. O Face superou também a “Veja”, a campeã de publicidade entre revistas semanais e que faturou R$ 19 milhões com propaganda estatal federal em 2014.

      o Facebook é o Estado.

  19. Jul 2015
  20. Mar 2015
    1. The right to collect taxes for a particular region would be auctioned every few years for a value that (in theory) approximated the tax available for collection in that region. The payment to Rome was treated as a loan and the publicani would receive interest on their payment at the end of the collection period. In addition, any excess (over their bid) tax collected would be pure profit for the publicani.

      olhaí a treta.